Aruspicina, desvendando o destino nas entranhas.

29 de junho de 2015 at 21:14

Modelo de Fígado de Ovelha encontrado. Acredita-se datar de 100 a.C.

A aruspicina é uma das formas de divinação mais antigas e rudimentares. Por meio desta arte divinatória, o arúspice, mestre responsável pela interpretação da mensagem divinada, analisa as vísceras/entranhas de um animal sacrificado que geralmente tratava-se de uma ovelha ou ave.

Importante destacar que o animal era sacrificado unicamente com esta finalidade e que ao final da prática ritualística sua carne era assada e comida pelos participantes, como forma de honra-lo[1].

Tal prática foi extremamente difundida na Roma Antiga que fora influenciada pelas práticas religiosas Etruscas. Destaque-se ainda que tais práticas também foram muito praticadas no Oriente Antigo, mais especificamente na Região da Mesopotâmia, como pode-se vislumbra do texto em destaque:

Um modelo de argila babilônica de fígado de um carneiro, datada entre 1900 e 1600 aC, é conservado no Museu Britânico . O modelo foi usado para adivinhação, o que era importante para a medicina mesopotâmica. Essa prática foi realizada por sacerdotes e profetas que procuraram sinais nas estrelas, ou nos órgãos de animais sacrificados, para dizer-lhes coisas sobre a doença de um paciente. Cavilhas de madeira foram colocadas nos furos da placa de argila para gravar características encontradas no fígado de um animal sacrificado. A vidente então usado esses recursos para prever o curso da doença de um paciente.

Haruspicy fazia parte de um estudo maior de órgãos em prol da adivinhação, chamado extispicy, dando especial atenção ao posicionamento dos órgãos e sua forma. Há muitos registros de diferentes povos através do fígado e do baço de animais domésticos e silvestres para a previsão meteorológica. Há centenas de objetos arquitetônicos antigos, labirintos compostos por pedras nos países do Norte, que são considerados um modelo do intestino do animal sacrificial, ou seja, os dois pontos de ruminantes.

A tradição assírio-babilônico também foi adotada em hitita religião . Pelo menos trinta e seis de fígado-modelos foi escavada em Hattusa . Destes, a maioria são inscritos em acadiano, mas alguns exemplos também têm inscrições na nativa língua hitita , indicando a adoção de haruspicy como parte do, culto vernáculo nativa.[2]

 



[1]http://translate.google.com.br/translate?hl=ptBR&sl=en&u=http://web.eecs.utk.edu/~mclennan/BA/Har.html&prev=/search%3Fq%3DHaruspicy%26newwindow%3D1%26espv%3D210%26es_sm%3D122 acesso em 06/12/2013